POR UMA FAMÍLIA SAUDÁVEL

No ano de 2002, segundo o IBGE foram realizados no Brasil 715 mil casamentos. Naquele mesmo ano houve 225 mil divórcios e separações judiciais, o que significa que um terço das uniões podem terminar em separação. Dos casais que se separam, 80% têm filhos menores.

Diante destas realidades, tem os que nos perguntar por que as famílias se dividem, por que os casamentos ruem. Sugiro, à luz da revelação bíblica, que há quatro razões gerais a explicar o fracasso familiar, sabendo que a primeira razão está na base das outras.

1 – As famílias ruem porque os familiares não têm relacionamentos saudáveis com Deus.

O salmo 127.1 deixa evidente esta verdade: Se Deus não edificar a família, ela são subsistirá. Sem um relacionamento saudável com Ele, os relacionamentos uns com os outros, na família inclusive, são muito difíceis.

Ter um lar nominalmente cristão não garante casamentos felizes e duradouros. Ter um lar genuinamente cristão garante; e entendo por genuinamente cristão aquele lar constituído por pessoas que buscam o Reino de Deus e Sua Justiça em primeiro lugar. O problema é que só Deus sabe que lar é nominalmente cristão e que lar é genuinamente cristão, isto é, o lar que mantém um relacionamento saudável com o Senhor, passa por dificuldades, provocadas por fatores internos e externos, mas permanece firme porque é edificado por Deus.

Relendo o salmo 127.1, talvez um cristão o tome como uma promessa a se cumprir magicamente: todo cristão tem um lar firme e forte. No entanto, é preciso repetir, o cristão terá um lar firme e forte se dele Deus for o Senhor, e esse senhorio não se exerce a partir da membresia de uma igreja ou de uma confissão da fé a Jesus Cristo, mas a partir de uma submissão a esse Deus como Senhor. Submeter o lar a Deus é deixar que Ele o edifique, e quando Ele o edifica nada o divide; mesmo quando a morte vier, a família ficará firme com os que sobreviverem.

2 – Como não têm relacionamentos saudáveis com Deus, os familiares podem por os seus desejos como fundamentos de suas vidas.

Há uma condição para que a vida familiar seja agradável: é quando todos se esforçam para torná-la saudável. No entanto, quando os corações que a integram, por falta do temor a Deus, colocam a satisfação dos seus desejos como os fins supremos das suas vidas, o resultado é a fragilização do vínculo familiar.

A razão é simples – nossos desejos, como aprendemos na Bíblia estão contaminados com o pecado.  Jeremias ensinou: “O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreende-lo? (Jer.  17.9)

Quando o coração se constitui no fundamento da casa, cada um só vê o seu bem-estar, os seus projetos, os seus sonhos. As prioridades na família não são as mesmas, quando as há. O egoísmo mata o amor, o egoísmo inviabiliza o convívio. O egoísta só olha numa direção: para si mesmo. Não se relaciona com os outros. Olha somente para si mesmo. Ele acha que pode sozinho edificar o seu lar, sem depender dos outros, sem depender de Deus, porque o seu lar é ele e aqueles que orbitam ao seu redor. O egoísta não vive em família.

Quando os desejos pessoais prevalecem, os familiares não conseguem conviver com as suas diferenças. Elas existem não para estilhaçar os relacionamentos, mas para fortalecê-los.

3 – Como não têm relacionamentos saudáveis com Deus pode haver envolvimentos inadequados.

Segundo o IBGE, 60% das separações foram requeridas por “conduta desonrosas ou graves violações dos deveres conjugais”. Nisto o adultério, a infidelidade são os mais devastadores. Sabemos o que a infidelidade faz na vida de filhos, esposa e esposo. A sociedade procura reativar a infidelidade, tentando passar a noção de que é aceitável até para salvar o casamento… Jesus colocou as coisas nos devidos lugares: Vocês ouviram o que foi dito: Não adulterarás. Mas eu lhes digo: Qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração. (Mat. 5.27-28)

Jesus sabia que o adultério não é um pecado solitário e que há vários que lhe são associados sendo a infidelidade o maior deles. Do seu espectro fazem parte a auto-suficiência, a vaidade, a mentira, a lascívia, o desrespeito, dentre outros. Não podemos justificá-lo com a frase: O casamento não estava bem, por isto aconteceu, se estivesse bem não aconteceria.

Cada cristão deve cuidar para não cair na sedução. Todo cristão deve deixar Deus dirigir os seus desejos para que se tornem desejos puros.

4 – Como não têm relacionamentos saudáveis com Deus, há dificuldades diante da escassez.

Por isto as famílias não resistem à experiência da escassez. As dificuldades econômicas, produzindo o não atendimento das necessidades básicas dos integrantes da família, podem trazer conflitos internos insuperáveis.

A falta de morada adequada, a falta de recursos para aquisição de alimentos, a falta de saúde de um dos familiares, e outras, podem desencadear processos destrutivos. Quando as faltas que agudizam e se prolongam, será preciso muita fé para que a família fique unida.

Há esposas que não suportam o desemprego do marido e se vão embora. Há maridos que não resistem a uma enfermidade prolongada da esposa e buscam satisfações. Há pais que não resistem ao desvio prolongado dos filhos e desistem. Há filhos que se cansam de honrar os seus pais, quando eles se mostram indignos a seu respeito.

No entanto, devem lembrar que votaram continuar casados mesmo sob o peso da escassez, porque fidelidade só é fidelidade quando atestada pela vida.

O cuidado fundamental, para todos, é manter Deus no centro das relações familiares. A presença de Deus no centro da família não garante que nela não haverá a experiência da escassez. Mesmo com o Senhor edificando a nossa casa, nela poderá faltar alimentos, saúde e até afeto. A morte pode levar alguém da família mesmo da família temente a Deus, disso sabemos.

Quando Deus é o centro da família, Ele, por Sua bondade, capacita a família a superar suas dificuldades, dando-lhe discernimento, sabedoria e vigor. Sem Ele, uns lançarão culpas sobre os outros, culpas que esfacelarão os vínculos.

Adaptado de artigo do Pr. Israel Belo de Azevedo

Anúncios

3 respostas em “POR UMA FAMÍLIA SAUDÁVEL

  1. maravilhoso, é importante muita gente está precisando desta palestra e de uma orientação que o eterno Deus o abençõe.

    • Olá Francilane. Que bom que gostou. Para nos seguir é só cadastrar seu email no blog ou mesmo pelo facebook.

O que achou? Conta pra gente...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s